Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618

editorial

, , , ,

O beijo da idade

Download PDF

Conversas, prismas e verdades da velhice

 

Como de costume, o “beijo gay” da novela da Globo virou assunto em tudo quanto é jornal, boteco e instância legislativa da república brasileira. No dia 26 de março, a Assembleia Legislativa do Tocantins aprovou uma moção de repúdio ao beijo entre as personagens de Fernanda Montenegro e Natália Timberg, ambas de 85 anos, na novela Babilônia. Não por acaso, o deputado que propôs a moção é um pastor evangélico (Eli Borges, do PROS). A trambiqueira e ociosa bancada evangélica do Congresso Nacional também se manifestou, com um chamado a que a tradicional família brasileira boicotasse o folhetim global.

 

IMG_1040

 

Longe da gente defender as sapatões sem velcro das telenovelas, mas temos que admitir que a ralação das inimigas é no mínimo divertida, e a Rede Globo segue sendo um fenômeno complexo. No atual momento de recrudescimento das forças conservadoras, em que milhões vão às ruas pra exaltar o que há de mais tosco e perigoso no nacionalismo reacionário, é admirável ver uma das atrizes de maior destaque do Brasil dizendo, como lésbica, para a maior audiência do país: “A sociedade, de vez em quando, tenta mudar, tenta esconder pessoas como eu. Não consegue. Não vai conseguir nunca”. E, em outra passagem: “O nosso casamento é um ato político. Isso prova que nós não nos intimidamos com preconceito sobre sexo, sobre idade”.

 

Porque, desta vez, a questão não é só o “beijo gay”, mas também o “beijo velho”. Se duas mulheres se beijando incomodam muita gente, duas mulheres velhas se beijando incomodam muito mais. Afinal, pessoas velhas não podem ter tesão, sexualidade, amor. Não podem ter corpo, beleza, voz própria.

 

 

Fomos perguntar

 

Estávamos devendo havia muito tempo uma Geni especial sobre velhice. No nosso debate de lançamento, em junho de 2013, o Flavio sugeriu que olhássemos para esse tema, e desde então ele não sai da nossa cabeça. Mas como transformá-lo em revista? Ninguém do nosso coletivo chegou, ainda, sequer aos 40 anos. Embora o envelhecimento seja uma realidade humana em praticamente todas as idades, nós ainda não somos socialmente reconhecidxs como velhxs, o que faz com que tenhamos mais perguntas do que respostas.

 

IMG_1216

 

Então fomos perguntar. Esta edição foi feita especialmente de conversas. Paloma Franca Amorim fala com Simone de Beauvoir; Carolina de Assis entrevista diversas militantes feministas sobre suas experiências de envelhecimento; Guilherme R. Passamani passeia pelo Pantanal ouvindo as histórias da caceteira bicha Tom; e Mariana Kinjo foi tomar um café com Paula Costa, que se tornou mulher (para voltar a Simone de Beauvoir) depois de toda uma vida fantasiada de homem.

 

Além disso, nossa entrevistada do mês é Thais Azevedo, orientadora socioeducativa do Centro de Referência e Defesa da Diversidade, em São Paulo. Aos 65 anos, Thais está entre as pouquíssimas travestis que conseguiram sobreviver à alarmante transfobia do Brasil e chegaram à velhice. Sem papas na língua, e com toda a experiência que a vida lhe deu, ela ensina: “Acho que a gente precisa de verdades pra ser feliz. E as pessoas precisam aprender a, no mínimo, aceitar a verdade do outro”.

 

 

As verdades

 

IMG_1512

 

E, afinal de contas, qual a verdade da velhice?

 

A julgar pelas declarações contidas nesta edição, são várias verdades, e não uma só. Ao contrário do que querem os caretas, o envelhecimento, assim como a sexualidade, a identidade de gênero e o corpo, é um prisma que aponta para infinitas direções, que tem todas as cores (e algumas mais) e que, nas palavras de Thais Azevedo, “faz a beleza do mundo”. Esperamos que esta edição faça jus a essa beleza, e que sirva para muito mais conversas, com todas as idades.

 

 

Coletivo Geni, abril de 2015.

 

P.S. Não deixem de conferir a estreia da coluna de Lígia Xavier, que vai falar de séries, hits e de todo o universo pop do jeito mais sapatânico possível!

 

 

Ilustrador de capa: João Romano (jgnr2006@gmail.com)

 

 

 

 

 

 

EDITOR RESPONSÁVEL
Marcos Visnadi

 

EDIÇÃO DE TEXTO
Aline Gatto Boueri
Carolina Menegatti
Cecilia Rosas
Marcos Visnadi

 

EDIÇÃO GRÁFICA
Tiago Kaphan

 

COMUNICAÇÃO E REDES SOCIAIS
Aline Gatto Boueri
Carolina Menegatti
Cesar Fernandes
Pedro “Pepa” Silva
Marcos Visnadi

 

PROJETO GRÁFICO E DIAGRAMAÇÃO
Bruno O.
Tiago Kaphan

 

ILUSTRAÇÕES
Aline Sodré
Bianca Muto
Bruno O.
Emília Santos
Gui Mohallem
Gunther Ishiyama
Gustavo Inafuko
João Romano
Mariana Leme
Nara Isoda
Paloma Franca Amorim
Priscilla Bertucci

 

ILUSTRAÇÃO DA CAPA
João Romano – jgnr2006@gmail.com

 

REVISÃO DE TEXTO
Bernardo RB
Cecília Rosas
Gabriel Bogossian
Lia Urbini
Lígia Xavier
Rodrigo Cruz

 

PARTICIPAM NESTE NÚMERO
Bianca Muto
Carolina de Assis
Daniel Mello
Dea Zanella
Guilherme R. Passamani
Gunther Ishiyama
João Romano
Priscilla Bertucci

 

AGRADECIMENTOS
Antonielle Cantarelli Martins, Fernanda Montenegro, Flavio Ronaldo de Souza, Leticia Vendrame, Luiz Pimentel, Natália Timberg, Paula Costa, Pedro Sammarco, Samira Oliveira, Thais Azevedo

 

 

 

, , , ,
MARCOS LIRA – 8 de abril de 2015 - 18:18

Marcos Lira E REALMENTE O BRASILEIRO NAO ESTA PREPARADO PARA O FUTURO, NAO SOU GAY NAO ASSISTO NOVELA,POREM NAO VI NADA DEMAIS HAJA VISTO AS NOVELAS ANTERIORES, OUVI COMENTARIOS, QUEM NAO VIU O FILME GAIOLA DAS LOUCAS QUE FOI UMA DAS GRANDES BILHETERIAS NO MUNDO JA MOSTRAVA A VIDA DE UM CASAL GAY EM MIAMI, MOREI EM MIAMI 14 ANOS E LA EM MIAMI BEACH E NORMAL CASAL DE GAYS E LESBICAS PASSEAREM PELA RUA 17 SEM SEREM INCOMODADO POR NINGUEM, ACHO QUE TEM TANTA COISA PRO BRASILEIRO SE PREOCUPAR, DEIXEM A QUE CADA UM FAÇA SUA ESCOLHA SEXUAL, E VAMOS LUTAR PARA AJUDAR O PAIS A SAIR DESTA CRISE MUNDIAL QUE ESTA ASSOLANDO O PLANETA,VAMOS PASAR UM MAL PEDAÇO MAIS TENHO CERTEZA QUE SAIREMOS, DEIXEMOS DE NOS PREOCUPAR COM OS GLS E NOS PREOCUPEMOS DE COMO VAMOS SAIR DESSA SEM BLASFEMIA DE REGIME MILITAR, NOS PODEMOS

HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>