Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618

coluna

, , , , , , ,

ESCULACHO | Enterra-se uma para nascer outra

Download PDF

A morte da Lucy Lima e o enfrentamento do medo. Por Alciana Paulino

Muitas pessoas podem falar sobre os pontos positivos do medo, mas hoje xs convido a refletir sobre os negativos. Nada mais aprisionante do que o medo. Deixamos de ser quem somos e ficamos mais distantes de quem queremos ser.

 

Quando guiadxs por ele fazemos escolhas estúpidas e nos contentamos com o “não consigo”. Se tiver um pouco de jogo de cintura, você acaba por desperdiçá-lo, entretendo-se com outras coisas e dizendo que está tudo bem mas não, não está.

 

Há algum tempo atrás fui convidada por um querido amigo para fazer parte da construção coletiva de uma revista sobre sexualidade e gênero. Recebi o convite por e-mail e a minha resposta foi: quero ajudar, mas não sei como. Com o apoio dele, Marcos Visnadi, resolvi retomar um antigo projeto: escrever sobre meus temas caros como Lucy Lima. Nessa época ela já existia e tinha vida própria.

 

A Lucy me protegia

 

Desbocada, crítica, bagunceira e que namora a iconoclastia. Criei e me apaixonei pelo personagem. Às vezes, para sair de casa, eu me montava de Lucy Lima, precisava da ousadia dela. A criei para perder o medo de escrever, para – de alguma forma – falar o que queria com liberdade, mas ela ganhou vida. Já saí com pessoas que não me conheceram, mas tiveram o prazer de conhecer a Lucy. A coisa estava ficando estranha.

 

Se me perguntarem quem é a Lucy Lima, terei milhares de histórias para contar. Mas no limite ela era a minha projeção. Temos muito em comum, mas a maior diferença é que ela não sentia medo. Eu, em contraponto, sempre senti.

 

A Lucy me protegia de tudo, da exposição, das críticas, e principalmente me permitia não encarar os meus temores. Ela era forte, eu não.

 

A necessidade de matá-la

 

Eu tenho tanto carinho por ela, e fiz com que minha turma sentisse o mesmo. Uma série de amigxs a conhecem e adoram conviver com ela. Mas eu só posso dar a cara a tapa se ela se for. É chegada a hora de dissolver a esquizofrenia, e isso só será possível matando Lucy. Convivemos bons anos, mas seu assassinato é meu único caminho.

 

Lucy, você morre para que eu possa sair do escuro e gélido armário. Para que eu banque a vida do jeito que eu quero que ela seja e para que eu possa ser mais eu. Como legado você me deixa seu peito arreganhado, sua risada larga e seu cinismo. Como responsabilidade, herdo a coluna Esculacho, a qual honrarei em sua memória. Fique tranquila, farei uma bela festa de funeral para comemorar sua partida e minha chegada.

alci_

Mas quem é Alciana Paulino?

 

Para quem acompanha a coluna e leu o texto da Lucy no número zero, saiba que sou tudo isso, só acrescento o fato de ser corintiana e estar num processo de reavaliação constante.

 

Vai ser bom conversar com vocês, sem o intermédio dela.

Leia outros textos de Alciana Paulino e da coluna Esculacho.

Ilustração: Bruno O.

, , , , , , ,
Zé – 3 de setembro de 2013 - 11:47

Joia

Renata – 12 de outubro de 2013 - 23:14

Com muito festejo celebro a ida da Lucy, embora tenha grande estima e consideração pela mesma.
E que venha o desabrochar de suas palavras Alciana Paulino!

alciana. araujo – 6 de janeiro de 2015 - 21:21

Sou. Alciana. Tambem e fiquei. Feliz. Em. Ver. Uma. Outra. Alciana muito. Inteligente.
Parabens

Érika Lino – 17 de maio de 2015 - 12:59

Confesso que não sentirei falta da Lucy Lima…Pois prefiro mil vezes a Queridissima e desbocada Alciana Paulino.

HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>