Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618

coluna

, , , , , , ,

[SSEX BBOX] | Sexualidade e religião

Download PDF

A importância de produzir nossas imagens, reverberar nossos discursos. Por Tatiana Lionço

 

Episódio 3 da série de documentários [SSEX BBOX]

 

A produção de web-documentários do [SSEX BBOX] é estrategicamente interessante para o ativismo de direitos sexuais. Os vídeos podem ser compreendidos como ferramentas de reverberação e ampliação do alcance de iniciativas políticas locais. Acompanhar protestos realizados em outras partes é fundamental para que possamos ter uma visão ampliada sobre os desafios que temos na luta política e dos entraves às conquistas de direitos sexuais, que podem ser bastante distintos a depender do contexto social, embora tenham pontos de convergência, como a lógica patriarcal e a moralidade religiosa na política. Poder acompanhar o ato documentado, em novembro de 2011, em Berlim, de repúdio às declarações conservadoras do então papa Bento XVI faz com que aqui no Brasil tenhamos maior consciência de que os entraves que viemos encontrando nos últimos anos ressoam também em outros contextos sociais e políticos.

 

(As manifestações repudiavam as declarações do papa no Bundestag, o parlamento alemão. Além dos atos públicos que tomaram as ruas de Berlim, diversos deputados boicotaram o discurso do papa, por não concordarem com a presença de líder religioso no parlamento.)

 

Esses registros documentais são especialmente interessantes para o Brasil, já que estamos em um momento histórico em que o senso comum e o Estado criminalizam protestos e ativismo político. Dada a intensa repressão policial e militar aos protestos de 2013 no país, assistimos ao esvaziamento progressivo das ações diretas e precisamos agora pensar em novos modos de ampliar o impacto das iniciativas locais de protesto. A coleta de depoimento de pessoas sobre suas vidas e de profissionais sobre como entendem seu trabalho na garantia de direitos sexuais também é bastante interessante, já que geram identificação e o sentimento de pertencimento a uma luta compartilhada.

 

O tema “Sexo e religião”, abordado no episódio 3, é bastante pertinente e atual em relação ao cenário político brasileiro. Temos passado pela crescente incidência do discurso religioso cristão na política, com evidentes retrocessos no âmbito das políticas públicas de educação e de saúde, bem como o avanço das bancadas parlamentares organizadas em termos de preceitos de fé, que priorizam a incidência política contrária às demandas feministas e do movimento LGBT. O fundamentalismo religioso cristão já é uma realidade constatável no Brasil, sobretudo com forte organização nas câmaras legislativas.

ssex-bbox1

 

Os políticos fundamentalistas se autoatribuem superioridade moral e têm participado do debate público sobre direitos sexuais na base da desqualificação moral de reivindicações feministas, de direitos humanos e direitos sexuais e reprodutivos. Deputados federais estão usando a imagem de ativistas em suas campanhas de modo demonizador e criminalizador, associando a homossexualidade à pedofilia e a luta por direitos humanos ao espírito do Anticristo. Esses fundamentalistas têm, eles próprios, produzido seus vídeos, verdadeiras campanhas difamatórias contra ativistas e grupos sociais. Talvez tenhamos realmente que produzir as nossas imagens e potencializar a reverberação de nossos discursos.

 

O [SSEX BBOX] é muito bem-vindo no atual momento da luta política por direitos sexuais no Brasil. Precisamos desconstruir demônios, pedófilos, aberrações, abominações, degradações. Precisamos falar por nós, porque a narrativa fundamentalista a nosso respeito tem nos caluniado, difamado, desumanizado. Que venham nossos registros, novos atos, a amplificação dos discursos.

 

Tatiana Lionço é curitibana, psicóloga, mestra em psicologia clínica e doutora em psicologia pela Universidade de Brasília (UnB). Atuou em consultorias para ações de equidade junto ao Governo Federal, tendo participado da articulação da normativa Processo Transexualizador no SUS e da sistematização do texto-base da I Conferência Nacional LGBT. Participou também da construção do marco de referência para atuação de profissionais de psicologia no Processo Transexualizador do Conselho Federal de Psicologia. É docente e pesquisadora nos cursos de graduação e mestrado em psicologia no Centro Universitário de Brasília. Autora de diversos artigos sobre direitos à saúde de pessoas transe enfrentamento da homofobia na educação; coautora dos livros Homofobia & educação: um desafio ao silêncio e Laicidade e ensino religioso no Brasil. Integra a Cia Revolucionária Triângulo Rosa. Atualmente pesquisa laicidade e fundamentalismo religioso e integra também o Movimento Estratégico pelo Estado Laico.

 

[SSEX BBOX] – Sexualidade fora da Caixa é um projeto de justiça social que busca oferecer perspectivas inteligentes, impactantes e não convencionais sobre sexualidade, gênero, relacionamentos e intimidade a partir do relato das experiências de pensadorxs, educadorxs, ativistas, artistas e outras pessoas que vivem, aprendem e amam “fora da caix(inh)a”.

O projeto iniciou suas atividades com um conjunto de web-documentários e é a primeira série online que explora o tema da sexualidade com o intuito de promover uma mudança social baseada nos princípios dos direitos humanos. Tem como temas principais a diversidade sexual e de gênero e o sex positive (positividade em relação ao sexo) nas cidades de São Paulo, São Francisco, Berlim e Barcelona. Atualmente, o [SSEX BBOX] desdobra-se em diversos formatos, como eventos com a exibição de filmes & debates, publicações, podcasts, workshops e festas. Estamos, pela primeira vez, produzindo uma conferência internacional.

, , , , , , ,
[SSEX BBOX] | Sexualidade e religião | Clipping LGBT – 24 de dezembro de 2014 - 1:57

[…] Por Tatiana Lionço Publicado pela Revista Geni, edição n. 18 […]

HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>