Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618

Expediente n° 23

Download PDF

COLETIVO GENI

alci
Alciana Paulino é cientista social, educadora e grandiosa cantora de chuveiro.

 

aline boueri
Aline Gatto Boueri é jornalista e mestranda em estudos latino-americanos. Carioca, mora em Buenos Aires desde 2008 e morre de saudade do mar.

 

aline sodré
Aline Sodré adora longas caminhadas. No momento, está driblando burocratas pra compor a equipe de design da Geni.

 

amanda
Amanda Palha gosta de livros velhos, caixinhas, cerveja barata e esmalte de unha. E café. Amanda Palha gosta muito de café.

 

andressa
Andressa Oliveira faz sociais, é timida, cozinha, escreve e é Samira Brinks nas horas vagas.

 

arianne
Arianne Rayis Lovo é formada em ciências sociais pela Universidade Federal de São Paulo e tem experiência em pesquisas nas áreas de antropologia e história.

 

bernardo
Bernardo RB não pode parar de dançar caminhando e de caminhar dançando. Gosta de encontrar movimentos pequenos e se pergunta onde é que ficamos com o corpo como ele é hoje, agora, aqui, e não como deveria ser. “não foi por medo que, na encruzilhada, se escolheu o Útil e o Político? […] de onde nos vem esta melancolia?”

 

bruno
Bruno O. é artesão e cigano.

 

carolina
Carolina Menegatti tem guardado um diploma de um lugar que afirma que “o centro está em toda parte”. Foi assinado por um desses caras que chamam a polícia para manifestação, e diz assim: ba-cha-rel em ciências sociais.

 

ceciliarosas
Cecilia Rosas é tradutora, editora e está cursando o doutorado. Às vezes gosta de morar em várias cidades ao mesmo tempo.

 

cesar
Cesar Fernandes é um psicólogo curitibano de 26 anos. Sindicalista, vegetariano e barbudinho.

 

clara
Clara Lobo diz-se soteropaulistana formada em cinema pela Universidade de São Paulo. É mestre, não doutora, e já foi funcionária pública por amor. Gosta de matutar sobre mulheres e não faz suas unhas nem por decreto.

 

emilia
Emília Santos é formada em artes visuais, atua como ilustradora, artista, artesã e faz barba, cabelo e bigode!

 

fabito
Fabito Figueiredo é meio antropólogo, meio ator, meio performer, meio educador, meio drag queen, meio mano, meio afeminado. Pode ser homem, mulher ou as duas coisas juntas de uma vez só.

 

gabriel
Gabriel Bogossian é curador e editor independente.

 

gui
Gui Mohallem é artista visual. Mineiro, espera o dia que vai poder usar a palavra “radicado” pra descrever sua relação com São Paulo.

 

Juliana Bittencourt é fotógrafa, pesquisadora e restauratrix.
Talvez eu volte um dia / Eu volto

 

lia
Lia Urbini olha pela janela muitas noites antes de dormir, e se espanta sempre. É livre lançadora na categoria revisão de textos e dá aulas de sociologia. Estuda a privatização das escolas públicas no mestrado e não sabe se e quando aprenderá a nadar.

 

Lígia Xavier ainda tá no meio do jogo com a Ellen Page e não consegue  acabar com Hades em GoW III!   :( Mas terminou de ler a trilogia Jogos Vorazes!   :)

 

marcos
Marcos Visnadi tem grandes planos.

 

mariana
Mariana Kinjo é mestiça, viciada em arroz e no seu smartphone. Tá por aí buscando na luta por direitos um rumo na vida.

 

Olivia Pavani é editora e terapeuta corporal. Apreciadora de café nas horas vagas e ocupadas também!
otavio
Otavio Chamorro foi cafetinado por Nazaré Tedesco e escapou num contêiner de soja para a Colômbia, onde emplacou sucessos como Café com Aroma de Mulher (interpretando o Aroma de Mulher) e Betty, a feia, personagem da qual ainda não conseguiu se desvencilhar.

 

paloma
Paloma Franca Amorim nasceu na Amazônia, é preta, é índia e não tem medo de Mapinguari.

 

pedro
Pedro “Pepa” Silva é editor e preparador de textos. Mestrando em estudos culturais. Saudosista quase profissional. Gosta de falar mal de cânones e de provar da aparente banalidade de coisas esquecidas, como telenovelas, filmes e romances baratos.

 

 20150204_182837-150x150
Rodrigo Cruz é paraense, jornalista, militante e pesquisador. Tem interesse especial por gente, política e coisas velhas que ninguém dá importância.

 

sueli
Sueli Feliziani, graduada em letras pela USP, feminista carmelita dom de salto 15 e látex. Filha de Iansã. Amante de café, gatos, livros e política. Feminista por amor, tradutora por profissão, colunista por acidente. Poeticamente militante, amante e combativa em prol dos direitos, da vida para tod@s.

 

tiago
Tiago Kaphan gosta de construir estruturas – no momento, diagrama, desenha e programa. Cansou um bocadinho das empresas e agora tem olhos gordos (de tanto comer chocolate) para o terceiro setor.

 

EDITORA RESPONSÁVEL

Lia Urbini

ASSISTÊNCIA EDITORIAL
Cecília Rosas

EDIÇÃO DE TEXTO

Carol Menegatti
Cecília Rosas
Fabito Figueiredo
Gui Mohallem
Lia Urbini
Ligia Xavier
Rodrigo Cruz

EDIÇÃO GRÁFICA
Aline Sodré
Tiago Kaphan

COMUNICAÇÃO E REDES SOCIAIS
Carolina Menegatti
Marcos Visnadi
Mariana Kinjo
Paloma Franca Amorim

PROJETO GRÁFICO

Bruno O.
Tiago Kaphan

ILUSTRAÇÕES

Aline Sodré
Amanda Gotsfritz
Ana Mohallem
Bianca Muto
Bruno Oliveira
Caio Victor
Emília Santos
Gunther Ishiyama
Mariana Leme
Paloma Franco Amorim
Thiago Fonseca
Nara Isoda

ILUSTRAÇÃO DE CAPA

Thiago Fonseca

REVISÃO DE TEXTO

Cecília Rosas
Lia Urbini
Thiago Fonseca
Rodrigo Cruz
Lígia Xavier
Mariana Kinjo

PARTICIPAM NESTE NÚMERO

Paula Sampaio
Shanawaara
Ligia Marina
Giovana Izidoro
Helio Maungue
Vilênia Porto
Karol Herrera
Luana Weyl
Inaê Nascimento
Luah Sampaio
Vacas
Natalia Espasandín
Victoria Gómez

AGRADECIMENTOS

Aline Korosue, Marília Carbonari, Miguel Enrique Stédile, LECERA-UFSC, MST, MAB, MMC, Caravana Climática, jovens e não tão jovens dos assentamentos Butiá, Pátria Livre, Sandra e 25 de julho, em Santa Catarina.

Essa edição é dedicada axs perseguidxs políticxs dos movimentos do campo no Brasil. Aos mortos e desaparecidos da escola rural de Ayotzinapa, México. Axs que vivxs ecoam essas vozes. E a Téte e ao Cai.

 

Delzi Laranjeira – 25 de junho de 2015 - 13:17

Pessoal, boa tarde. Utilizei o texto do Gore Vidal do número 3 e preciso citá-lo. Não achei, no site, a localização de vocês. A revista é sediada em São Paulo? Desconfio que sim, confirmem por favor.
Obrigada.

Cecília Rosas – 27 de junho de 2015 - 16:21

Oi, Delzi, é sim.
bjs,

HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>