Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela nasce da falta que faz, no Brasil, um veículo de comunicação que atente às diferenças em questões de gênero e sexualidade.

debate

, , , , , , , , , ,

Minimanual dx guerrilheirx linguísticx

O uso do x para rasurar o binarismo de gênero na língua portuguesa. Por Marcos Visnadi

Era um debate sobre feminismo, acho, numa calourada da Universidade de São Paulo (USP), onde fiz a graduação em letras. Meu papel era mediar a mesa, composta por um homem, duas ou três mulheres (já faz um tempinho, não condenem minha memória) e uma travesti (a querida Janaina Lima, colunista da Geni). Ou seja, uma pessoa com identidade de gênero masculina, três (ou quatro?!) pessoas com identidades de gênero femininas. Até aqui, tudo certo?

 

geni_debate_marcos

 

Quase tudo. Como bom conhecedor da língua portuguesa (ã-han), abri a mesa apresentando “os debatedores”. E, logo na primeira fala, levei uma bela de uma lapada dA debatedorA. Foi Rita Quadros, se não me engano, da Liga Brasileira de Lésbicas, quem me deu uma das broncas mais simpáticas e marcantes que já levei na vida. “Não estou culpando você”, ela disse, assim que me viu querendo gaguejar uma desculpa. “Só estou falando isso para a gente perceber como, até na nossa língua, nós invisibilizamos as mulheres. Mesmo num momento como este, de combate ao machismo.”

 

Quer dizer que a nossa língua é machista? Não fui o estudante de letras mais exemplar, então temo deixar a desejar nos argumentos teóricos. Mas nós somos machistas, certo? O machismo é o sistema em que nós vivemos, e combatê-lo não significa estar imune a ele. O patriarcado sustenta e recheia o nosso cotidiano. Talvez possamos dizer do machismo o que Fernando Pessoa disse da língua portuguesa: ele é nossa pátria.

 

A língua do pai

 

“Pátria.” A palavra deriva do latim pater, pai, e remete mais precisamente à expressão terra patria, a terra do pai.

 

Isso me lembra o filme dos irmãos Taviani, Pai, patrão, de 1977. Ele se passa na Itália rural, na Sardenha, em meados do século 20, e conta a história de um menino analfabeto que tem um pai autoritário e violento, que o mantém isolado no campo, trabalhando como pastor. Quando sai de casa para servir ao exército, esse rapaz, que até então só falava o dialeto sardo, tem contato com a educação estatal, e para isso precisa aprender italiano.

 

É no aprendizado dessa língua que ele chega às palavras do título, padre (pai) e padrone (patrão), próximas no vocabulário e na função social. Tanto em italiano como em português, elas derivam da mesma palavra latina, o já mencionado pater, que dá origem também a patronus, de onde vem “patrão” e que pode designar tanto um protetor quanto um proprietário (de terras, de pessoas).

 

O conhecimento da língua é fundamental para a emancipação de Gavino Ledda, o linguista cujo romance autobiográfico inspirou o filme dos Taviani. É com esse conhecimento que ele se livra do jugo paterno, deixando a terra patria e alcançando a sua própria. E é conhecendo a língua que Ledda percebe as várias facetas do pai, predestinado a ser patrão pela própria condição vocabular da paternidade.

 

As pedras do português

 

Mas deixa eu explicar as digressões. Um dos muitos debates que temos na Geni, desde que começamos a pensar na revista, lá em fevereiro deste ano, é o do uso da linguagem. Não poderia ser diferente: a maior parte do nosso conteúdo é em texto escrito, e todo ele, em português. A pergunta que nos fazemos é: como lutar contra todas as opressões utilizando uma língua que carrega nela mesma as marcas da opressão, em particular a do binarismo de gênero?

 

Linguisticamente, a questão é cabeluda, e, não sendo linguista, não vou me meter nela. Uma ideia que parece recorrente e bem aceita no debate científico é a de que o português não se divide entre os gêneros masculino e feminino, mas sim entre a ausência de marcação de gênero (uma espécie de neutro, que coincide com o que chamamos de masculino) e a marcação de gênero propriamente dita (o que chamamos de feminino). Essa hipótese está bem exposta neste artigo do professor Sírio Possenti, da Universidade de Campinas.

 

Politicamente falando, a palavra “neutro” dá arrepios em qualquer pessoa que não a use a seu favor. Atribui-se ao arcebispo sul-africano Desmond Tutu uma frase que me parece certeira: “Se você é neutrx em situações de injustiça, você escolhe o lado dx opressorx”. A confusão que faço entre o “neutro” linguístico e o “neutro” político é proposital, porque os dois se confundem mesmo. A linguística, como ramo da moderna ciência de matriz europeia, geralmente pressupõe uma neutralidade da observação que a gente precisa questionar, sobretudo porque o neutro costuma coincidir, não por acaso, com o masculino (e branco, e heterossexual, e burguês etc.).

 

Em português, cinco homens debatendo são debatedores. Quatro mulheres e um homem debatendo são debatedores. E cinco mulheres debatendo são, enfim, debatedoras. Ora, é no mínimo questionável que as duas primeiras formas coincidam e que isso não seja um produto histórico-linguístico do machismo. É, no mínimo, digno de debate.

geni_debate_marcos2_b

Guerrilha linguística

 

Há uns dez anos, pelo menos, começou a se tornar comum, a princípio em e-mails informais, o uso da arroba para incluir todx mundx entre xs destinatárixs. “Prezad@s”, a gente começava escrevendo, e nos movimentos estudantil e LGBT isso era praticamente uma norma, um sinal de respeito, e não fazia sentido escrever de outro jeito. A primeira vez que vi a arroba ser substituída pelo xis foi nos e-mails do pessoal do Colcha de Retalhos, grupo da Universidade Federal de Goiânia que organizou, em 2007, o 5º Encontro Nacional Universitário de Diversidade Sexual (o Enuds, cuja 11ª edição aconteceu no fim do mês passado, em Matinhos).

 

Graficamente, a substituição da arroba pelo xis tem muita razão de ser. O símbolo da arroba, composto de um A e um O (ou seja, as duas marcas mais evidentes de designação de gênero em português), ainda é binário – e, diz a Lia Urbini, flagrantemente machista, pois o O envolve o A.

 

Já o xis é praticamente uma rasura, uma negação explícita desse binarismo machista. Ele causa um baita estranhamento, dificulta, trava a leitura. E é justamente essa a intenção! Interromper o automatismo do nosso olhar, mexer na zona de conforto é um jeito de chamar a atenção para relações de violência que passam despercebidas, que são legitimadas sob a carapuça da naturalidade – ou da neutralidade.

 

Obviamente, trocar uma letra de algumas palavras não vai, por si só, fazer ruir o patriarcado. E, mesmo no âmbito da linguagem, essa é uma decisão que se restringe à escrita, ficando inviável na fala. Mas, de todo modo, é uma estratégia pontual que temos usado na Geni – e que este texto abre pra debate. Nossa intenção é publicar, nos próximos números da revista, outros textos sobre o assunto. E ouvir, nos comentários aí abaixo, o que você, queridx leitorx, pensa sobre o tema.

Leia outros textos de Marcos Visnadi.

Ilustrador convidado: Gunther Ishiyama.

, , , , , , , , , ,
Tiago Sant'Ana – 2 de setembro de 2013 - 18:05

Olá, Marcos e demais Genis. Antes de tudo, tenho que congratular pela ideia e pela publicação da Geni. Precisamos mesmo nos apropriar dos diversos espaços de comunicação e começar a analisar como a comunicação é importante aliada no combate às opressões (vindas de onde vier).
O uso do x realmente tem se intensificado dentro dos debates sobre diversidade sexual e gênero, mas, considero que ainda é um modo precário de tentativa de quebra do binarismo.
Na oralidade, por exemplo, o x é um recurso inviável para no exercício da comunicação, não tem como ser lido (ainda que isso seja um ponto positivo no sentido de desestabilizar, mas, não comunica).
Talvez o caso mais interessante, seria pensar numa humanização dessa língua. Como a substituição de termos generificados por “pessoa”, por exemplo. Em vez de “Ela comentou no post”, “A pessoa comentou no post”.
Além disso, penso que o uso do x também não inclui pessoas que não tem acesso à leitura do texto pela visualidade, como pessoas cegas, que necessitam de um software de leitura para acessarem as plataformas virtuais.
Acredito que temos que usar as estretágeias possíveis no dia-a-dia para desconstruir de forma progressiva essas opressões através da língua. No momento, é o x, mas, devemos ir repensando incessantemente e de forma prática.
Beijos com dendê.

Pedro – 2 de setembro de 2013 - 20:13

Olá, acho que uma questão central deste debate deveria ser de ordem pragmática: será que a substituição do gênero por “x” não afasta muitas pessoas de questões mais fundamentais do feminismo? Eu vejo essa discussão de fora (vivo no chamado mundo heteronormativo) e posso afirmar que pessoas “comuns” são espantadas de qualquer tipo de discussão feminista por práticas como essa.
Pessoalmente acho que esse tipo de mudança só atrapalha causas maiores por dar um tom radical a questões que deveriam ser mais visíveis ao público geral e portanto deveriam ser relegadas para o futuro. Além disso, essa prática torna alguns trechos difíceis de ler e simplesmente ilegíveis para pessoas com deficiência visual, especialmente as que necessitam de auxílio eletrônico.
Pedro.

Marcelo Hailer – 2 de setembro de 2013 - 20:47

Esse debate é muito bom, estamos fazendo em nosso grupo de estudo na PUC. A questão que se coloca é: ao aplicarmos o X não estamos, mais uma vez, suprimindo o feminino? E se colocarmos no feminino todas as palavras?
Outra questão é: na comunicação oral: tanto o X quanto o @ são impronunciáveis. Como fica?
No mais, nenhum sujeito é neutro, portanto, acredito que a utilização dos artigos no feminino ainda é o melhor caminho.

Sidnei Akiyoshi – 4 de setembro de 2013 - 13:41

Oi!!!

O “x” realmente causa estranhamento durante a leitura, mas como naquela brincadeira em que trocamos letras por números, acaba ficando uma leitura automática tendendo para a normatividade (um patriarcal lerá o e uma feminista a).
Lembro de ler um texto teórico em Literatura Brasileira (tá, não lembro do autor nem do texto) que o gênero mudava durante a leitura; ora escrevia no masculino, ora no feminino, e isso causava estranhamento. Mas só porque era um escritor, pois uma escritora pode usar o neutro masculino sem causar este estranhamento.
No caso da apresentação de uma mesa eu usaria a questão da quantidade; tem mais pessoas do gênero feminino as debatedoras. Se der empate, lady’s first. Aliás esse é um tema bem bom Marcos, as mulheres tem preferência num salvamento pois elas procriam.

Sidnei akiyoshi

Liberdade – 4 de setembro de 2013 - 19:15

O uso do x é muito utilizado no meio libertárix e anarquista, pois este debate e prática já fazem parte da compreensão do que é ser uma pessoa com suas diversas formas de viver, se colando dessa maneira no lugar de ruptura com esta língua machista.

O som que utilizamos no lugar do x é o E, por exemplo meninx, se lê, se fala, menine…

Desconstruindo vamos construindo outra gramática que expresse o que somos e o que acreditamos.

Bia Bagagli – 5 de setembro de 2013 - 2:06

Gostei do texto :) Tenho dois textos em mente que tratam da questão, aqui vai:

“Linguagem, poder e sexismo (módulo para uma sequência didática)” disponível em: http://transfeminismo.com/2013/07/31/linguagem-poder-e-sexismo-modulo-para-uma-sequencia-didatica/

“Deixando o X para trás na linguagem neutra de gênero” disponível em http://naobinario.wordpress.com/2013/08/01/deixando-o-x-para-tras-na-linguagem-neutra-de-genero/

camila – 21 de setembro de 2013 - 0:04

concordo com quem disse que o uso do xis atrapalha a leitura para deficientes visuais (espero estar usando o termo correto) que utilizam ferramentas tecnologicas para decodificar o texto.

por outro lado, acho que é a saida que temos no momento, até encontrar algo melhor.

nao concordo em colocar tudo no feminino, porque entao excluimos o masculino. sem falar que o xis, como esta dito no artigo, vem pra causar incomodo e quebrar o binarismo. nao acho que afasta ninguem da causa feminista nao. sou feminista recente e estou me acostumando com o xis.

Tiago – 29 de setembro de 2013 - 0:17

É interessante este ponto de vista. De fato, a língua portuguesa é uma língua machista, que prioriza o homem,portanto, legitima o patriarcado. Porém, só conseguimos “matar” esse símbolo machista na nossa língua, na escrita. Na fala, torna-se impossível isso,porque não temos na estrutura da nossa língua, uma desinência nominal neutra. O que complica. Se nós falássemos como escrevemos, o “U” e o “I”poderiam servir como uma vogal marcadora de gênero neutro. Ex: a professora, o professor, as professoras, os professores, us professoris.

Mas nossa língua não foi forjada assim. Espero que algum linguista descubra um jeito de neutralizar os gêneros no nosso idioma patriarcalista.

marcosvisnadi – 3 de outubro de 2013 - 12:14

Oi, gente. Valeu pelos comentários.

Continuamos o debate na Geni de outubro com este texto, que é contrário ao uso do x e traz argumentações linguísticas bem legais: http://revistageni.org/10/o-x-da-questao/.

A gente começou a discutir na Geni essa coisa de o x impossibilitar a leitura para deficientes visuais. Era algo que nunca tinha nos ocorrido! Como o nosso objetivo é principalmente que os textos sejam acessíveis, não podemos deixar de considerar isso e diminuímos bastante o uso do x na edição de outubro (enquanto não chegamos a uma conclusão ou, pelo menos, a uma opção melhor).

mari – 14 de março de 2014 - 12:51

quanta idiotice

HTML permitido: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>