Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618
xuxu 2

acadêmicxs

Periferia, substantivo feminino

O conceito de sujeito periférico. Por Tiaraju D’Andrea

acadêmicxs

Maternidade lésbica e tecnologias reprodutivas

Como a reprodução assistida tem promovido o reconhecimento legal de novos modelos de família. Por Anna Carolina Horstmann Amorim

acadêmicxs

Sair do armário mais tarde

Memória, envelhecimento, pintosas e caceteiras no interior do Mato Grosso do Sul. Por Guilherme R. Passamani

acadêmicxs

Corpo de luta, espaço de resistência

Uma leitura de O alegre canto da perdiz de Paulina Chiziane. Por Jacqueline Oliveira e Larissa Salvador de Mello

acadêmicxs

Cinema e estereótipos

O que a interpretação de Grande Otelo tem a dizer sobre raça, gênero e sexualidade? Por Luis Felipe Kojima Hirano

acadêmicxs

Foucault e Butler por olhares adolescentes

Reflexões sobre norma, poder e subjetivação. Por Giulia Garcia, Juliana Pedroso e Nathalia Domingues

acadêmicxs

Pra mandar um salve

Algumas notas sobre gênero, família e mulheres na prisão. Por Natália Bouças do Lago

acadêmicxs

Pesquisas que se fazem com uma só mão

Relato sobre um laboratório de pornografia na Universidade de São Paulo. Por Luiz Moreno Guimarães e Thiago E. Luzzi

acadêmicxs

Suicídio, sexualidade e gênero na juventude

A urgência do debate e o início de uma discussão. Por Thiago Nagafuchi

acadêmicxs

A obscena senhora B.

Desejo e pornografia na obra de Louise Bourgeois. Por Ruy Luduvice

acadêmicxs

Trilhas do sexo

A pornografia e o corpo do pesquisador. Por Fernando Matos

acadêmicxs

“Nessa rua só tem viado”

Uma rua pode ser gay? Os limiares da rua Frei Caneca, em São Paulo. Por Bruno Puccinelli

acadêmicxs

O corpo em revista

No começo do século 20, as revistas femininas já queriam mandar no corpo da mulher. Por Arianne Rayis Lovo