Geni é uma revista virtual independente sobre gênero, sexualidade e temas afins. Ela é pensada e editada por um coletivo de jornalistas, acadêmicxs, pesquisadorxs, artistas e militantes. Geni nasce do compromisso com valores libertários e com a luta pela igualdade e pela diferença. ISSN 2358-2618
xuxu 2

teatro

Capulanas Cia. de Arte Negra

Protagonismo feminino na arte negra contemporânea. Por Adriana Paixão

moradia

As pássaras

Um relato sobre a prática de teatro no encontro de mulheres da Ocupação Esperança, em Osasco (SP). Por Paloma Franca Amorim

coluna

ESCULACHO | Joga mais luz nesse palco porque a casa tem que cair

Uma pantomima sobre a junção malabarística entre a subjetividade e a política. Por Alciana Paulino

geni na pista

Geni no Jaguaré

Em outubro a Geni lançou sua quarta edição no CEU Jaguaré, em São Paulo, dentro de uma programação dedicada à diversidade sexual. Por Luiz Pimentel

coluna

NO MEIO | 05: Os escândalos e as interdições

Tentar salvá-los pra levá-los aonde? Pras minhas agonias, que talvez sejam melhores que as deles? Por Luiz Pimentel

arte

O gênero que permite

Uma conversa com Ana Luisa Santos e Guilherme Morais sobre a performance Trans, em cartaz em Belo Horizonte. Por Bernardo RB

resenha

Assuntos de gente grande

Homens adultos enfrentam a infância na peça Coisas de meninos, em cartaz em São Paulo. Por Márcio de Deus

resenha

Lou e Leo

Que nada nos defina, que nada nos limite. Por Márcio de Deus

entrevista

Diva que incomoda

Soldado pintosa, dama do teatro, Miss Brasil Trans, cantora punk, escritora, produtora, primeira travesti a atuar em telenovela. Geni tem a honra de entrevistar a surpreendente Claudia Celeste. Por Pedro “Pepa” Silva. Com Marcos Visnadi (texto) e Gui Mohallem (fotos)

perfil

J/GEN/NY/IVAL

A personagem de Chico Buarque põe em cena os bastidores do Brasil. E nós seguimos junto, coro doido. Por Luiz Pimentel

resenha

O verborrágico e visceral guia do homossexual inteligente

A nova peça de Tony Kushner, autor de Angels in America, trata da luta de classes e de homossexualidade nos EUA de hoje. Por Márcio Aparecido da Silva de Deus